Notícia

Notícia - 09/08/2019

9º DP: atendimento que preza pelo acolhimento ao cidadão

TEXTO: +A -A

À frente do 9º Distrito Policial, em Fortaleza, no bairro Vicente Pinzón, a delegada Rosa de Fátima Barbosa Oliveira conta que um de seus principais objetivos é desmitificar da comunidade a ideia de que delegacia é apenas lugar para infratores. “Muitas pessoas chegam aqui e dizem: é a primeira vez que ponho os pés em uma delegacia, que se sentem constrangidas e, não, a delegacia não é só alugar destinado especificamente a infratores, deve ser um local como qualquer outro vinculado à Justiça em que o cidadão está procurando seus direitos”, afirma.

O 9º DP faz parte da primeira AIS (Área Integrada de Segurança) criada no Ceará e engloba bairros como Cais do Porto, Meireles, Mucuripe, Praia de Iracema, Varjota e Vicente Pinzon. A delegacia, que funciona 24 horas, fica localizada em uma área bem próxima às favelas e, para a delegada Rosa de Fátima, manter um trabalho de acolhimento e confiança com a população é fundamental para prestação do serviço policial. “O cidadão tem que se sentir com seu direito protegido. Essa é nossa preocupação. Temos um atendimento direcionado para a sociedade, para as pessoas que estão com seus direitos violados e que foram vítimas de furto, de estelionato, entre outros crimes”.

A delegada observa que uma das condições de um trabalho de investigação eficaz por parte da Polícia, é o apoio da sociedade civil, principalmente, através dos boletins de ocorrência BOs. “A própria população traz muitas vezes informações importantes sobre fatos que acontecem na comunidade”. Para Rosa de Fátima, “são informações importantes a serem investigados e chegam muitas vezes através do BO”.

Importância do B.O.
A delegada Rosa de Fátima reitera, portanto, a necessidade de a população registrar B.O., desde a perda de um documento ou objeto a casos mais sérios, como extorsão, ameaças ou tráfico de drogas. “Muitas pessoas pensam que não é importante registrar a perda de um documento e é importantíssimo, porque aquele documento pode ser utilizado mais na frente para uma compra indevida ou falsificações. Normalmente, as pessoas deixam para lá, mas, hoje, você tem que se preocupar muito com isso. Por isso, é importante que se registre o B.O.”, destaca.

Por dia, o 9º DP, segundo informa Rosa de Fátima, realiza cerca de 80 boletins de ocorrência. A demanda tende a ser maior em datas festivas.No entanto, a prestação de um atendimento de qualidade, se destaca. De acordo com ela, o cidadão que chega para ser atendido é recebido com atenção pois muitas vezes uma mediação resolve uma futura ação judicial.

Uma opção para quem quer praticidade ou não tem tempo de ir a uma delegacia para registrar um boletim de ocorrência, é realizar através da internet, no site da delegacia eletrônica, isso em casos específicos. Ocorrências como perda de documentos e objetos, furto, roubo a residência, injúria, difamação, desaparecimento de pessoas, roubo, dano ou violação de domicílio podem ser registrados eletronicamente. “O B.O. eletrônico funciona realmente, mas a sociedade ainda gosta de vir à delegacia”, analisa a delegada.

Além de contribuir com as investigações, o registro do B.O. permite a devolução de objetos encontrados, especialmente aparelhos celulares. Os objetos cujos proprietários não forem identificados, são destinados a um depósito por tempo indeterminado.

Reforma
Há cerca de dois meses, o 9º DP passou por uma reforma em todo o prédio, que envolveu pinturas, nova fachada e restauração de mobília, para um melhor conforto à comunidade. Na parte de trás do prédio, onde havia dunas, passou a ser o estacionamento e local para recebimento dos flagrantes. A melhoria também permitiu que o acesso das pessoas presas ocorra sem que haja contato com quem vai à delegacia para tratar de outros assuntos.

FONTE: O Estado